Pular para o conteúdo principal

Ano Novo - Parte Final

Enfim, chega ao final a saga da minha retrospectiva de 2011 e acredito ter deixado o mais marcante para o final, aquilo que tornou este ano um alento e ao mesmo tempo um desafio a ser vencido todos os dias. Particularmente este não foi um ano dedicado ao basquete, como vinha sendo os dois anteriores e confesso isso foi algo que me incomodou muito, alías continua incomodando, mas diria que tenho travado uma batalha interna diária para reverter essa história.

Depois de vencer a batalha da recuperação da minha avó o negócio foi fazer as malas e explorar novos horizontes. Minha pós graduação já estava chegando ao fim e aquele certeza de ter um final de semana só meu estava acabando, era preciso encontrar algo novo para devolver ao meu coração a sensação de liberdade, paz e principalmente o desejo de voltar para casa.

Os destinos não tiveram nada de extravagante, porém foram incríveis. Três bem conhecidos: Curitiba, Enseada e Jaraguá do Sul. Enseada foi o destino de momentos de descanso em pelo menos duas oportunidades antes que o ano terminasse, uma forma de aproveitar a energia maravilhosa do mar, a paz e o calor, para recarregar as energias de algo que ainda estaria por vir. Jaraguá foi apenas a parada antes do destino final: Pomerode, aonde eu prestaria um concurso. E Curitiba, finalmente aproveite a cidade com seus encantos, passando um final de semana para passear realmente, foi maravilhoso, com direito a passeio de trem e tudo.

Pomerode como citei pude aproveitar um pouquinho e me encantar com a tranquilidade que senti. Mas em minha lista a um destino muito especial: Praia dos Ingleses em Florianópolis. Havia comprado em compra coletiva duas diárias numa pousada alguns meses antes e estava chegando a hora de usar, pois logo venceria o prazo. Acabou que encaixei uma folga e fui durante a semana, logo após o feriado de 15 de novembro, alias, fui no feriado e tomei uma chuva terrível, assustadora. Porém no dia seguinte um sol lindo nos recepcionou e foi uma viagem fantástica e muito proveitosa que deixou o gostinho de quero mais, está na lista de retornos em 2012.

Finalizei o ano subindo a serra. Rápida parada em São Bento do Sul para um delicioso café colonial. Não visitava a cidade desde um aniversário meu, que já nem lembro exatamente qual foi, mas sensação de olhar e sentir que tudo continuava do jeitinho que eu lembrava trouxe a tona a saudade, sempre adorei essa cidade, afinal ela tem muito a ver com o início da minha carreira profissional também. O ponto final foi Rio Negrinho que conhecia apenas de passagem. Foi uma ótima forma de entrar no clima do Natal, visitando o Natal Encantado da cidade que é simplesmente incrível.

Lógico que não posso esquecer da mais marcantes de todas: Show do Aerosmith em SP. Foi uma loucura, cansaço, muito tempo de pé, chuva, mas 2 horas maravilhosas de muita música pagaram tudo isso, em especial quando ele cantou "I don´t wanna miss a thing" chorei do início ao fim. Valeu pela experiência e pelas pessoas sensacionais que conheci.

Todas as idas e vindas e destinos diversos, com suas comodidades, dificuldades, mordomias foram uma forma de compensar todo o esforço de fazer as coisas darem certo nos últimos anos, buscando sempre priorizar os outros e não a mim mesma e o meu bem estar, meu lazer. De quebra proporcionei tudo isso também para a minha mãe. Ofereço tudo que é necessário, porém também algo que levaremos conosco sempre até quando nos formos, pois o que fica realmente são as experiências, o material acaba, fica, mas as lembranças nos formam.

A parte do desafio que rondou a minha vida foi passar mais um ano longe de pessoas que sempre foram importantes em minha vida. Foi um ano em que pensei muito em pessoas que estão longe e que amei muito, grandes amigos. Alguns me fizeram sofrer, me magoaram, outros simplesmente partiram, mas de uma forma ou de outra ainda continuam vivos em mim, mesmo que algumas lembranças eu ainda precise esquecer pois continuam me fazendo mal. O que sei é que as ruins cada dia tornam-se mais fracas, deixando em mim apenas a marca das coisas boas que cada um me proporcionou e a falta que fazem é justamente por não poder reviver esses momentos com eles, mas aonde estiverem sempre estarei torcendo por cada um, mesmo que já não se lembrem mais de mim.

2011 foi um ano íncrivel, mas acredito que 2012 pode ser ainda melhor!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Arrasada...

Estou quase explodindo de tanta dor, precisava falar com alguém, precisava de um abraço, mas não há ninguém, nunca há e eu precisava contar sobre o que estou sentindo, é tão doloroso e está acabando comigo, desde quando eu fico assim sem vontade de comer, sem vontade malhar, querendo apenas me esconder em um canto escuro para chorar? Essa não sou mais eu, porém por algum motivo a minha antiga versão veio me fazer uma visita bem desagradável. Estragou minha tarde, minha malhação e parece estar disposta a estragar a minha noite também.
Eu estou arrasada e tudo porque sonhei com alguém que eu não queria ver, nem mesmo em meus sonhos. Eu não me lembro do contexto, de palavras, só lembro do seu rosto e da sua risada, igualzinho a imagem que tenho dele dentro da memória. Foi tão cruel, depois de algumas horas me lembrar do sonho, sentir meu coração sendo esmagado e um buraco se formando no lugar dele. Pior do que isso, tentar malhar para esquecer a lembrança ficar ainda mais presente, me pon…

Mudando um pouco de assunto...

Passei os últimos dias contando sobre o passado, porém um fato que aconteceu ontem me trouxe a necessidade de vir até aqui e desabafar. O ano mal começou, a semana mal tinha começado e no meio da manhã, depois de ter me despedido de minha mãe no centro, para voltar ao trabalho enquanto ela se dirigia a parada do ônibus para ir para casa, recebo uma ligação dela, ofegante, pedindo para eu não ficar nervosa porque ela tinha sido assaltada. Minha primeira reação foi não ter reação, apenas o coração acelerou e senti uma vontade imensa de chorar, depois de sair correndo para abraçar a minha mãe e aí fiquei racional.
Deixei que ela contasse como tinha acontecido e tentei reproduzir a cena na minha mente, mas não consegui visualizar, depois quis saber o que tinha na bolsa, para identificar quais medidas precisariam ser tomadas. Documentos pessoais, cartão do banco, talão de cheques, passagem de ônibus, chave de casa e celular, fora os receituários médicos que ela tinha acabado de apanhar na c…