Pular para o conteúdo principal

Uma palavra: saudade!


A palavra saudade realmente mexe fundo comigo. Estou no transporte, de volta para casa depois de um dia super agitando e cansativo, envolta em correção de avaliações, notas, preenchimento de diário. Estou cansada e em meio a discussões de professores eu me fechei no meu universo paralelo.
Com os fones no ouvido escutei Never Gonna Be Alone, logo a música que me lembra você, uma lágrima correu pelo meu rosto ao lembrar do tempo que faz que não te vejo e do tempo que com certeza ficarei sem te ver. Sinto muito a sua falta e não sei como mas acho que de alguma forma você sente a minha também, porque cada palavra que digo, mesmo solta, você entende que é para você.
Durante a música me veio a mente nosso último abraço. Foi tão especial, porque marcou um dia muito importante e naquele dia eu nem me de conta de quem estava a nossa volta, quem podia estar olhando ou o que iriam pensar, eu só corri até você e você me recebeu de braços abertos.
Nossa amizade foi tão breve, mas não passageira, você está longe, mas as coisas boas que guardo de você sempre irão me fazer companhia, você só está longe dos meus olhos, mas não do meu coração e o que te torna tão especial na minha vida é o fato de me enxergar de uma forma que poucos até hoje me enxergaram, ou por não quererem se envolver, ou por simplesmente ignorarem quem realmente sou. Você não, você enxerga através de mim, dos meus olhos, você é meu amigo mesmo que a gente não se veja e eu sinto muita falta de poder contar contigo, da nossa conversa fácil, das risadas, você me fazia ser eu mesma e eu sinto falta de quem eu era contigo. Sei que essa parte de mim está em algum lugar, talvez esperando você aparecer para despertá-la, até fico com  a saudade e com o que aprendi a ser enquanto você está distante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Arrasada...

Estou quase explodindo de tanta dor, precisava falar com alguém, precisava de um abraço, mas não há ninguém, nunca há e eu precisava contar sobre o que estou sentindo, é tão doloroso e está acabando comigo, desde quando eu fico assim sem vontade de comer, sem vontade malhar, querendo apenas me esconder em um canto escuro para chorar? Essa não sou mais eu, porém por algum motivo a minha antiga versão veio me fazer uma visita bem desagradável. Estragou minha tarde, minha malhação e parece estar disposta a estragar a minha noite também.
Eu estou arrasada e tudo porque sonhei com alguém que eu não queria ver, nem mesmo em meus sonhos. Eu não me lembro do contexto, de palavras, só lembro do seu rosto e da sua risada, igualzinho a imagem que tenho dele dentro da memória. Foi tão cruel, depois de algumas horas me lembrar do sonho, sentir meu coração sendo esmagado e um buraco se formando no lugar dele. Pior do que isso, tentar malhar para esquecer a lembrança ficar ainda mais presente, me pon…

Ano Novo - Parte Final

Enfim, chega ao final a saga da minha retrospectiva de 2011 e acredito ter deixado o mais marcante para o final, aquilo que tornou este ano um alento e ao mesmo tempo um desafio a ser vencido todos os dias. Particularmente este não foi um ano dedicado ao basquete, como vinha sendo os dois anteriores e confesso isso foi algo que me incomodou muito, alías continua incomodando, mas diria que tenho travado uma batalha interna diária para reverter essa história.
Depois de vencer a batalha da recuperação da minha avó o negócio foi fazer as malas e explorar novos horizontes. Minha pós graduação já estava chegando ao fim e aquele certeza de ter um final de semana só meu estava acabando, era preciso encontrar algo novo para devolver ao meu coração a sensação de liberdade, paz e principalmente o desejo de voltar para casa.
Os destinos não tiveram nada de extravagante, porém foram incríveis. Três bem conhecidos: Curitiba, Enseada e Jaraguá do Sul. Enseada foi o destino de momentos de descanso em p…

Mudando um pouco de assunto...

Passei os últimos dias contando sobre o passado, porém um fato que aconteceu ontem me trouxe a necessidade de vir até aqui e desabafar. O ano mal começou, a semana mal tinha começado e no meio da manhã, depois de ter me despedido de minha mãe no centro, para voltar ao trabalho enquanto ela se dirigia a parada do ônibus para ir para casa, recebo uma ligação dela, ofegante, pedindo para eu não ficar nervosa porque ela tinha sido assaltada. Minha primeira reação foi não ter reação, apenas o coração acelerou e senti uma vontade imensa de chorar, depois de sair correndo para abraçar a minha mãe e aí fiquei racional.
Deixei que ela contasse como tinha acontecido e tentei reproduzir a cena na minha mente, mas não consegui visualizar, depois quis saber o que tinha na bolsa, para identificar quais medidas precisariam ser tomadas. Documentos pessoais, cartão do banco, talão de cheques, passagem de ônibus, chave de casa e celular, fora os receituários médicos que ela tinha acabado de apanhar na c…