Pular para o conteúdo principal

O Tempo


Tempo demais sem escrever eu sei. É uma mistura de desleixo com falta de tempo. A rotina se sobrepõe aos desejos e vamos adiando nossas vontades. Mas acho que a semana foi particularmente interessante e marcante. Euforia, alegria, frustração, magoa, saudades, foram alguns dos sentimentos que percorreram meus dias e me fizeram companhia. Tanta coisa mudou desde a ultima postagem, também já faz um mês. O que o mais temia ainda não aconteceu, os projetos mudaram um pouco de rumo, já que o processo tende a demorar. Talvez ocorra de outra forma, mas acredite será tão doloroso quanto na outra situação, pois será ausência da mesma forma. Mas não quero falar de tristeza, nem da rotina que me consome, quero falar de recordações. Vivi momentos únicos nesses dois últimos dias, passeando pelo reduto de minha inspiração, revivendo tanta coisa boa e feliz que talvez naquela época não soube aproveitar, tão pouco entendi o quanto me faria falta agora. As primeiras desilusões de amor, a descoberta do dom de escrever (incluindo as produções literárias), o concurso de redações, as aulas, os dialogos, meu primeiro amor. Vamos ser honestos, foram essas as lembranças mais marcantes e que mais mexeram comigo, espero que depois dessa injeção de lembranças eu termine de uma vez o livro, não é possível quase uma década mexendo nesse texto, já estou ficando cansada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Arrasada...

Estou quase explodindo de tanta dor, precisava falar com alguém, precisava de um abraço, mas não há ninguém, nunca há e eu precisava contar sobre o que estou sentindo, é tão doloroso e está acabando comigo, desde quando eu fico assim sem vontade de comer, sem vontade malhar, querendo apenas me esconder em um canto escuro para chorar? Essa não sou mais eu, porém por algum motivo a minha antiga versão veio me fazer uma visita bem desagradável. Estragou minha tarde, minha malhação e parece estar disposta a estragar a minha noite também.
Eu estou arrasada e tudo porque sonhei com alguém que eu não queria ver, nem mesmo em meus sonhos. Eu não me lembro do contexto, de palavras, só lembro do seu rosto e da sua risada, igualzinho a imagem que tenho dele dentro da memória. Foi tão cruel, depois de algumas horas me lembrar do sonho, sentir meu coração sendo esmagado e um buraco se formando no lugar dele. Pior do que isso, tentar malhar para esquecer a lembrança ficar ainda mais presente, me pon…

Ano Novo - Parte Final

Enfim, chega ao final a saga da minha retrospectiva de 2011 e acredito ter deixado o mais marcante para o final, aquilo que tornou este ano um alento e ao mesmo tempo um desafio a ser vencido todos os dias. Particularmente este não foi um ano dedicado ao basquete, como vinha sendo os dois anteriores e confesso isso foi algo que me incomodou muito, alías continua incomodando, mas diria que tenho travado uma batalha interna diária para reverter essa história.
Depois de vencer a batalha da recuperação da minha avó o negócio foi fazer as malas e explorar novos horizontes. Minha pós graduação já estava chegando ao fim e aquele certeza de ter um final de semana só meu estava acabando, era preciso encontrar algo novo para devolver ao meu coração a sensação de liberdade, paz e principalmente o desejo de voltar para casa.
Os destinos não tiveram nada de extravagante, porém foram incríveis. Três bem conhecidos: Curitiba, Enseada e Jaraguá do Sul. Enseada foi o destino de momentos de descanso em p…

Mudando um pouco de assunto...

Passei os últimos dias contando sobre o passado, porém um fato que aconteceu ontem me trouxe a necessidade de vir até aqui e desabafar. O ano mal começou, a semana mal tinha começado e no meio da manhã, depois de ter me despedido de minha mãe no centro, para voltar ao trabalho enquanto ela se dirigia a parada do ônibus para ir para casa, recebo uma ligação dela, ofegante, pedindo para eu não ficar nervosa porque ela tinha sido assaltada. Minha primeira reação foi não ter reação, apenas o coração acelerou e senti uma vontade imensa de chorar, depois de sair correndo para abraçar a minha mãe e aí fiquei racional.
Deixei que ela contasse como tinha acontecido e tentei reproduzir a cena na minha mente, mas não consegui visualizar, depois quis saber o que tinha na bolsa, para identificar quais medidas precisariam ser tomadas. Documentos pessoais, cartão do banco, talão de cheques, passagem de ônibus, chave de casa e celular, fora os receituários médicos que ela tinha acabado de apanhar na c…