Pular para o conteúdo principal

Essa dor...

Hoje está sendo difícil, uma sombra está pairando sobre mim. Lembranças e saudades incovenientes resolveram se apoderar do meu tempo. Conseqüência: perdi o ânimo de tudo, de comer, de andar, escrever, estudar. Só queria meu quarto escuro e boa música para chorar. Parece estranho e talvez realmente o seja, mas estou me sentindo num vazio sem fim, sem saída e sozinha. Pensando percebi que minha tristeza não tem nome, apenas fragmentos de momentos importantes que agora me perturbam.

Faz tempo que não sinto essa vontade de simplesmente desaparecer. É uma dor tão grande que nem sei de onde vem e parecia que tudo estava tão bem, eu estava escrevendo, mas não sei se foi a música que tocou de uma forma diferente ou se foi o que enxerguei ao ler a tradução dela, só sei que me vi de repente sem conseguir comer, sem forças, melancólica, chorosa, me vi sentada sozinha com meus pensamentos, olhando o vazio e chorando.

O desejo incontrolável de ficar sozinha, de me esconder e a crença de que veria o Sie tumultuando ainda mais meus pensamentos. Algo aconteceu por causa desse meu desejo de escrever de dar continuidade aquilo que tanto amo e que por algum motivo de alguma forma é responsável pelo que estou sentindo.

Desejei tanto o ver e não o vi como havia previsto. Meu corpo está padecendo e não tenho a menor idéia do que fazer para mudar isso. Eu só estou cansada, muito cansada. Comecei também a pensar nas coincidências de datas dos fatos mais marcantes da minha vida aconteceram entre os dias 20/10 e 10/11 e só hoje me dei conta que um já tem 9 anos e outro 2. É muito esquisito sentir todo esse mal estar e nem saber de onde veio.

Percebi também que os dois foram os que mais me marcaram e são meus dois melhores amigos, ou seja, duas pessoas que me conhecem como ninguém. Recordo que já fiz comparativos antes. Acho que na verdade o problema é que conheço o Sie a 11 anos, tivemos uma história e acho que meu livro me fez sentir saudades.

Minha dor estava estampada na minha face, mas não sabia como explicar. E eu fico pensando como suportei ficar tantas vezes assim ao longo da minha adolescência. Minha dor não tinha rosto, nome ou forma... era saudade demais e vontade de viver isso outra vez... mas passou...

Comentários

Prof. Carol disse…
Ketty, adorei conhecer um pouco sobre você, a pessoa Ketty, diferente da aluna Ketty com a qual pude partilhar alguns momentos durante as aulas. Senti tristeza e melancolia ao ler alguns dos teus desabafos, mas eles fazem parte da vida, eu sei. Espero que consigas superar esta saudade e angústia, para viver momentos felizes ao lado das pessoas que te amam.
Boa sorte daqui pra frente.

Postagens mais visitadas deste blog

Arrasada...

Estou quase explodindo de tanta dor, precisava falar com alguém, precisava de um abraço, mas não há ninguém, nunca há e eu precisava contar sobre o que estou sentindo, é tão doloroso e está acabando comigo, desde quando eu fico assim sem vontade de comer, sem vontade malhar, querendo apenas me esconder em um canto escuro para chorar? Essa não sou mais eu, porém por algum motivo a minha antiga versão veio me fazer uma visita bem desagradável. Estragou minha tarde, minha malhação e parece estar disposta a estragar a minha noite também.
Eu estou arrasada e tudo porque sonhei com alguém que eu não queria ver, nem mesmo em meus sonhos. Eu não me lembro do contexto, de palavras, só lembro do seu rosto e da sua risada, igualzinho a imagem que tenho dele dentro da memória. Foi tão cruel, depois de algumas horas me lembrar do sonho, sentir meu coração sendo esmagado e um buraco se formando no lugar dele. Pior do que isso, tentar malhar para esquecer a lembrança ficar ainda mais presente, me pon…

Mudando um pouco de assunto...

Passei os últimos dias contando sobre o passado, porém um fato que aconteceu ontem me trouxe a necessidade de vir até aqui e desabafar. O ano mal começou, a semana mal tinha começado e no meio da manhã, depois de ter me despedido de minha mãe no centro, para voltar ao trabalho enquanto ela se dirigia a parada do ônibus para ir para casa, recebo uma ligação dela, ofegante, pedindo para eu não ficar nervosa porque ela tinha sido assaltada. Minha primeira reação foi não ter reação, apenas o coração acelerou e senti uma vontade imensa de chorar, depois de sair correndo para abraçar a minha mãe e aí fiquei racional.
Deixei que ela contasse como tinha acontecido e tentei reproduzir a cena na minha mente, mas não consegui visualizar, depois quis saber o que tinha na bolsa, para identificar quais medidas precisariam ser tomadas. Documentos pessoais, cartão do banco, talão de cheques, passagem de ônibus, chave de casa e celular, fora os receituários médicos que ela tinha acabado de apanhar na c…

Ano Novo - Parte Final

Enfim, chega ao final a saga da minha retrospectiva de 2011 e acredito ter deixado o mais marcante para o final, aquilo que tornou este ano um alento e ao mesmo tempo um desafio a ser vencido todos os dias. Particularmente este não foi um ano dedicado ao basquete, como vinha sendo os dois anteriores e confesso isso foi algo que me incomodou muito, alías continua incomodando, mas diria que tenho travado uma batalha interna diária para reverter essa história.
Depois de vencer a batalha da recuperação da minha avó o negócio foi fazer as malas e explorar novos horizontes. Minha pós graduação já estava chegando ao fim e aquele certeza de ter um final de semana só meu estava acabando, era preciso encontrar algo novo para devolver ao meu coração a sensação de liberdade, paz e principalmente o desejo de voltar para casa.
Os destinos não tiveram nada de extravagante, porém foram incríveis. Três bem conhecidos: Curitiba, Enseada e Jaraguá do Sul. Enseada foi o destino de momentos de descanso em p…