Pular para o conteúdo principal

Dor

É tão ruim quando você tem tanto a dizer e o melhor é ficar calada. É tão ruim quando existem tantas perguntas dentro de você e você não pode as externar. As dúvidas geram insegurança. A incerteza muitas vezes nos faz ter cautela, prudência e digamos que costumo ser cautelosa até demais, pois sou insegura demais. É uma forma de reserva, de proteção, quando não sei exatamente onde estou pisando, não me manifesto, porém aos poucos isso vai me corroendo por dentro, como estou agora. Querendo insistir em assuntos que talvez já tenham sido definitivamente enterrados, querendo explicações de palavras ditas, que talvez nem façam mais sentido. Só que algo me diz que nem tudo foi esclarecido, situações me forçam a pensar em tudo isso, e às vezes alguns pequenos movimentos me indicam que ainda há algo acontecendo. E tenho necessidade das coisas claras para poder seguir em frente, sei que nada irá mudar em sua vida, mas ainda assim, acho que mereço entender porque as coisas aconteceram, não crio expectativas, mas não consigo me libertar dessas lembranças sem saber qual o grau de seriedade de suas palavras.Você abalou minhas estruturas, tirou meu chão e por mais que eu tente desviar meu pensamento de você, parece que algo o atraí de volta. Tudo é sempre tão rápido, tão sério que nem se quer consigo prestar atenção no que sinto quando te abraço. Só me lembro do que sinto quando estou perto de você, quando escuto o som da tua voz pronunciando meu nome. E eu não sei explicar de onde vem essa necessidade avassaladora de estar perto de você. Essa falta enorme que sinto de falar contigo, de te ver. A saudade é tão grande que me sinto vazia, sem forças. E eu fiquei fugindo tentando me convencer de que é só um sentimento de carinho, amizade, mas está cada vez mais difícil me convencer disso. Há um sentimento muito forte nos envolvendo, mas, não sei que nome lhe dar, não é paixão, porque acabei de sair de uma e a diferença é muito clara, tanto que há momentos que ainda mexe comigo, mas é muito mais físico e agora, eu sei que gosto de você, mais do que deveria gostar e mais do que apenas como um amigo. E eu estou sofrendo com tudo isso. A doença e a cura num mesmo lugar.

Comentários

disse…
"por mais que eu tente desviar meu pensamento de você, parece que algo o atraí de volta"
de certo modo me identifiquei com essa frase. Não como texto todo, mas a frase se encaixou perfeitamente comigo..
Sei um pouco como se sente [/não por experiencia propria, mas.. tu sabe como né.. hehehe]. Mas tipow.. tu sabe que tudo o que tu escreve, se não me faz chorar, me faz juntar um pouco de lagrimas nos olhos.. porque é muito lindo!
B-zo morr

Postagens mais visitadas deste blog

Arrasada...

Estou quase explodindo de tanta dor, precisava falar com alguém, precisava de um abraço, mas não há ninguém, nunca há e eu precisava contar sobre o que estou sentindo, é tão doloroso e está acabando comigo, desde quando eu fico assim sem vontade de comer, sem vontade malhar, querendo apenas me esconder em um canto escuro para chorar? Essa não sou mais eu, porém por algum motivo a minha antiga versão veio me fazer uma visita bem desagradável. Estragou minha tarde, minha malhação e parece estar disposta a estragar a minha noite também.
Eu estou arrasada e tudo porque sonhei com alguém que eu não queria ver, nem mesmo em meus sonhos. Eu não me lembro do contexto, de palavras, só lembro do seu rosto e da sua risada, igualzinho a imagem que tenho dele dentro da memória. Foi tão cruel, depois de algumas horas me lembrar do sonho, sentir meu coração sendo esmagado e um buraco se formando no lugar dele. Pior do que isso, tentar malhar para esquecer a lembrança ficar ainda mais presente, me pon…

Mudando um pouco de assunto...

Passei os últimos dias contando sobre o passado, porém um fato que aconteceu ontem me trouxe a necessidade de vir até aqui e desabafar. O ano mal começou, a semana mal tinha começado e no meio da manhã, depois de ter me despedido de minha mãe no centro, para voltar ao trabalho enquanto ela se dirigia a parada do ônibus para ir para casa, recebo uma ligação dela, ofegante, pedindo para eu não ficar nervosa porque ela tinha sido assaltada. Minha primeira reação foi não ter reação, apenas o coração acelerou e senti uma vontade imensa de chorar, depois de sair correndo para abraçar a minha mãe e aí fiquei racional.
Deixei que ela contasse como tinha acontecido e tentei reproduzir a cena na minha mente, mas não consegui visualizar, depois quis saber o que tinha na bolsa, para identificar quais medidas precisariam ser tomadas. Documentos pessoais, cartão do banco, talão de cheques, passagem de ônibus, chave de casa e celular, fora os receituários médicos que ela tinha acabado de apanhar na c…

Ano Novo - Parte Final

Enfim, chega ao final a saga da minha retrospectiva de 2011 e acredito ter deixado o mais marcante para o final, aquilo que tornou este ano um alento e ao mesmo tempo um desafio a ser vencido todos os dias. Particularmente este não foi um ano dedicado ao basquete, como vinha sendo os dois anteriores e confesso isso foi algo que me incomodou muito, alías continua incomodando, mas diria que tenho travado uma batalha interna diária para reverter essa história.
Depois de vencer a batalha da recuperação da minha avó o negócio foi fazer as malas e explorar novos horizontes. Minha pós graduação já estava chegando ao fim e aquele certeza de ter um final de semana só meu estava acabando, era preciso encontrar algo novo para devolver ao meu coração a sensação de liberdade, paz e principalmente o desejo de voltar para casa.
Os destinos não tiveram nada de extravagante, porém foram incríveis. Três bem conhecidos: Curitiba, Enseada e Jaraguá do Sul. Enseada foi o destino de momentos de descanso em p…